Tatuagem, Piercing e Cia
 

A igreja nas últimas décadas tem sido alvo de poderoso ataque do maligno, em alguns casos explícito; mas, ele tem sido implícito  muitas vezes, e não são percebidos de imediato. Uma forma eficaz de ação é introduzir o “mundanismo” no meio da congregação. Tudo começa de uma forma muito inocente e inofensiva, mas, no decorrer dos dias, se avoluma e envolve todas as mentes que, influenciadas pelos espíritos malignos enviados pelo diabo, tornam-se cegos, e como tais, destituídos da visão de Deus (espiritual). A carne se manifesta e as coisas esdrúxulas são concebidas como perfeitamente normais.
 
Em conseqüência, deparamos com igrejas totalmente permissivas quanto aos modos de vida, comuns e aceitáveis àqueles que vivem no “mundo” longe dos princípios eternos do Deus vivo. Os servos de Deus devem observar o seu proceder e agir de uma forma que edifique a todos.  "É bom não comer carne, nem beber vinho, nem fazer qualquer outra coisa com que teu irmão venha a tropeçar ou se ofender ou se enfraquecer." (Rm 14:21)

Mas, este mandamento do Senhor não é observado e depara-se com pessoas que se auto-intitulam de "crentes" que escandalizam até mesmo os não salvos.

Por exemplo:
Piercing – Inimaginável no corpo do Servo de Deus. Tem sua origem em rituais religiosos. É mutilar o corpo, templo do Espírito Santo.
Tatuagem – A conotação espiritual impregnada no uso das tatuagens é real. Por mais inocente que seja a figura, traz em si, um significado ritualístico.

 

 Veja como deve ser o servo:
"Não deixe que ninguém o despreze por você ser jovem. Mas, para os que crêem, seja um exemplo na maneira de falar, na maneira de agir, no amor, na fé e na pureza."(1 Tm 4:12) 

Olhando segundo o Espírito de Deus, fica patente, que tudo isto são apenas desejos da carne, uma forma de externar “rebeldia, obstinação, teimosia, etc.”, o querer ser diferente dos demais, é abrir portas para o diabo agir na vida.
 

Piercing e Tatuagem:
Esquecem-se, que o chamado do Senhor é para que sejam diferentes, separados deste mundo, e que, jamais compartilhem os mesmo prazeres e práticas, veja: 
“Não se juntem com os descrentes para trabalharem com eles. Como é que o certo e o errado podem ser companheiros? Como podem viver juntas a luz e a escuridão? Como podem Cristo e o diabo estar de acordo? O que é que um cristão e um descrente têm em comum? Que relação pode haver entre o Templo de Deus e os ídolos pagãos? Pois nós somos o templo do Deus vivo."    ( 2Co 6:14-16)

 

É comum a seguinte desculpa:
A Bíblia não condena! Não existe na Bíblia tal proibição! E semelhantes.

Conclui-se que os que pensam assim, estão destituídos do Espírito Santo de Deus, que edifica a vida e nos capacita a ouvir a voz do Senhor, e ilumina o caminho pelo qual devemos andar.

Paulo escreveu aos de Corinto:

Será que vocês não sabem que o corpo é o Templo do Espírito Santo, que vive em vocês e foi dado por Deus?  Vocês não pertencem a vocês mesmos, pois Deus os comprou e pagou o preço. Portanto, usem os seus corpos para a glória Dele.” (1Co 6.19,20)

Quando nos conscientizamos que somos escravos do Senhor, e que, a nossa vontade deve estar sujeita ao nosso dono e com a idéia que nosso corpo é Templo do Espírito de Deus; chegamos à conclusão: não temos qualquer autoridade de usá-lo de uma forma diferente da considerada convencional. Por conseqüência, é rebelião contra o Senhor, a decisão de encher o corpo de penduricalhos ou piercing e tatuagens.

As desculpas para satisfazer a vontade da carne são inúmeras: o modo de vida dos Israelitas antigos ou mesmo a cultura de um povo estrangeiro podem ser invocados, para justificar uma forma de vestir-se ou agir; Os adeptos do piercing, apelam até para a "argola" que Rebeca usou no nariz!, na tentativa de justificar seu agir errôneo.  
Mas, é bom lembrarmos que estamos no Brasil e que o nosso padrão cultural convencional diferem dos demais povos. É preciso andarmos no equilíbrio, sem os exageros comuns aos filhos do mundo.
Amados jovens, amado povo do Senhor, é indispensável que sejamos exemplos e que o mundo veja em nós um diferencial que é resultado de nossa comunhão com o Senhor. Como podem ver o Senhor e o Amor de Deus, se a nossa vida não apresenta exteriormente qualquer tipo de mudança? Seja exemplo! veja a recomendação do Apóstolo Paulo:
”Não deixe que ninguém o despreze por você ser jovem. Mas, para os que crêem, seja exemplo na conversa, na conduta, no amor, na  e napureza. (1Tm 4.12)

Seja exemplo... na conversa:
É patético encontramos alguém que se diz Servo de Deus, quando abre a boca, dela sai apenas palavras pobres em todos os sentidos. São as muitas gírias (gíria significa: Linguagem de malfeitores, malandros, etc., com a qual procuram não ser entendidos pelas outras pessoas. -Dicionário Aurélio), como podem o cristão usar o mesmo linguajar comum aos malfeitores e malandros? Esta forma de expressão com certeza é imprópria. Timóteo não a usaria de forma alguma.
A santificação deve envolver todas as áreas de nosso ser.
(Veja neste site, mais sobre a língua)

Seja exemplo... na conduta:
O Senhor não parou para definir como devem ser algumas coisas e esta “brecha”, que na realidade não existe, é o grande gancho para diversas confusões; fundamentos são lançados e revestidos de autoridades de "salvar ou condenar". É comum encontrarmos no meio da igreja, profundas controvérsias quanto ao que chamam de uso e costumes. 
Esquecem-se que foi-nos dado o Espírito Santo, para edificar nossa vida e transformar nosso corpo em Templo. Apenas isto é o suficiente, para sabermos agir segundo a vontade de Deus. Abraão, o Pai da fé, não tinha uma Bíblia, mas, tinha um coração sensível à voz do Espírito e seu agir, foi correto aos olhos do Senhor Deus.
Moda: desde quando o servo de Deus necessita estar ligado à moda? Porque gastar dinheiro em coisas tão vãs? A moda geralmente quer colocar o corpo em evidência. 
- Tatuagem, piercingem que é justificáveis a vontade tão grande de muitos em assemelhar-se ao mundo? Sujar as “paredes” do templo do ES com pichações (Tatuagens)? E encher-se de badulaques (piercing)?  Fomos chamados para sermos semelhantes ao Senhor Jesus Cristo, seus imitadores e discípulos! Ser discípulos do mundo jamais!

 

Seja exemplo... no amor:
A presença do Espírito de Deus em nossa vida é confirmada com o nosso agir cheio de amor e santidade.  (Jo 14.23,24).
Este amor, leva-nos a sermos homens sujeitos às autoridades constituídas e a ouvirmos aqueles que se achegam a nós com palavras sábias de vida.
Desenvolva uma  comunhão real com Deus, para que sejas tomado pelo poderoso amor e capacitado a amar ao próximo como a si mesmo.

Seja exemplo... na fé:
Fé é uma questão difícil, geralmente ela é muito teórica, ou seja, quando tudo está muito bem, cremos e confiamos totalmente no Senhor; mas, quando as provações vêm, ela deixa de existir. E os males sobressaem, e dominam a situação.
Esta fé teórica, precisa com urgência ser revestida pelo verdadeiro crer, que nos é dado pelo Senhor, tornando nossa vida, edificada sobre a rocha, firme e inabalável. Quem não tem fé, peça-a a Deus.

Seja exemplo: na pureza:
Como é difícil ser puros, neste mundo que tanto tem a oferecer!  Mas é possível!
E esta é uma ordem muito clara do Senhor Jesus “devemos imitá-lo” em todos os aspectos da vida.

O namoro, quando existir, precisa ser encarado como prenúncio do casamento, jamais como  passatempo ou apenas para satisfazer os desejos e inclinações da carne.
O sexo, é uma prática restrita ao casamento.  “Todos que olharem para uma mulher com intenção impura, já adulterou...”(Mt 5.28) isto significa, que o relacionamento entre um casal solteiro, deve ser totalmente desprovido de qualquer forma de sensualidade.
Homossexualismo, é uma abominação ao Eterno.

Assim deve ser o proceder de um filho do Senhor Deus.

É claro que muitas vezes as conseqüências pelos pecados cometidos serão carregados por toda a vida, isto é inegável.
Por exemplo:
Uma jovem que engravidou, será mãe solteira sempre.
Marcado com Tatuagem, às vezes precisa conviver até os dias finais com elas. Etc.

 

Mas, agora que foram lavados pelo Sangue do Senhor e cheios do Espírito Santo, devem viver uma vida sem culpa! Em humildade e com a intenção principal de agradar a Deus em todos os aspectos.

” Todas as coisas são feitas de acordo com o plano e com a decisão de Deus. De acordo com a sua vontade e com aquilo que ele havia resolvido desde o princípio, Deus nos escolheu para sermos o seu povo, por meio da nossa união com Cristo.  Portanto, digo que nós, que fomos os primeiros a pôr a nossa esperança em Cristo, louvemos a glória de Deus.  A mesma coisa aconteceu também com vocês. Quando ouviram a verdadeira mensagem, a boa notícia que trouxe para vocês a salvação, vocês creram em Cristo. E Deus pôs em vocês a sua marca de proprietário quando lhes deu o Espírito Santo, que ele havia prometido." (Ef 3.11-13
 

Nós como verdadeiros Servos do Senhor, devemos zelar um pelos outros e se somos santificados  em Cristo, é dever apresentarmos o nosso corpo como “sacrifício vivo, santo e agradável a Deus” e jamais usá-lo pra satisfazer a carne e nos envolvermos com os modismo deste mundo que “jaz do maligno” entristecendo assim, o Espírito de Deus e por conseqüência os irmãos.


Finalizando, quero citar o ensinamento de Paulo:
”Alguns dizem assim: ‘Podemos fazer o que queremos,’Sim, mas nem tudo é bom.‘ Podemos fazer o que queremos, 'mas nem tudo é útil.”(1Co 10.23)
Vemos que temos liberdade para tudo, no entanto, nem tudo é bom ou útil!
”Que Deus, que nos dá a paz, faça que vocês sejam completamente dedicados a ele. E que ele conserve o espírito, a alma e o corpo de vocês livres de toda mancha, para o dia em que Jesus Cristo, o nosso Senhor vier.” (1Ts 5.23)
 

Quer viver segundo a vontade do Senhor?
Abandone a carne e todos os seus desejos!
 

Tatuagens, piercing e outros costumes, são comuns àqueles que ainda precisam ser alcançados e chamados pelo Senhor. Possuir uma aparência semelhantes aos mundanos, jamais  vai influenciar alguém a decidir-se por Cristo. Esta forma de pensar procede do maligno!  Jesus, não assemelhou-se a ninguém para fazer a obra, na verdade, sentou-se com pecadores, mas, não assemelhou-se a eles.

 

Quem não tem piercing e tatuagens, ouça o Espírito Santo e não faça! aqueles que tem, se tiveres condições as retire, caso contrário, arrependa-se e procure não expô-las.  Assim honrarás ao Senhor.

Pr Elias R. de Oliveira

 

  PIERCING: arte no corpo que requer cuidados
Cada vez mais popular, esse adereço exige atenção na colocação e nos cuidados diários, pois os riscos para a saúde existem e não são nada bonitos...

POR VICTOR FERREIRA

 

FOTOS: FERNANDO GARDINALI
Piercing no alto da orelha pode deformar a cartilagem, o que exigirá uma cirurgia reparadora

 

1- QUAL A DIFERENÇA ENTRE OS MATERIAIS DE UM PIERCING? 
Há vários tipos de materiais usados na fabricação desses adereços. A diferença está na aceitação de cada um deles pelo o organismo. Os mais recomendados são o aço cirúrgico e o ouro, pois não irritam o local nem tão pouco desencadeiam reações alérgicas.

Há também os piercings chamados de bijuteria, porém não são recomendados, por serem, na maioria das vezes, fabricados com material de qualidade duvidosa.

2- QUAIS OS CUIDADOS NECESSÁRIOS A CADA TIPO DE PIERCING - DE LÍNGUA, UMBIGO, NARIZ? 
São basicamente os mesmos e devem ser redobrados quando ele acaba de ser colocado. Em geral, é preciso ser rigoroso com a higienização da área e fazer uso de pomadas cicatrizantes e/ou antibióticos locais indicados por um especialista para evitar a contaminação por germes patogênicos. Outros cuidados importantes a se observar são: lavar as mãos com sabonete antiséptico antes de tocar o adereço;lavar a boca com anti-séptico bucal diluído em água após as refeições; limpar o piercing somente duas vezes por dia, na fase de cicatrização; não permitir que outras pessoas toquem em seu piercing sem lavar as mãos; evitar sauna, piscina, banho de mar, lagoa e excesso de sol; evitar roupas justas e sintéticas que fiquem em contato com o piercing, pois dificultam a respiração da pele (além do mais, atritos causados por roupas apertadas, pesadas ou movimentos excessivos podem causar quelóides. Esta irritação forma um vermelho escuro ao redor do piercing, podendo levar à rejeição). Saiba ainda que estresse, má alimentação, uso de drogas e álcool ou doença podem prolongar o período de cicatrização. E procure não ter contato com fluidos de outras pessoas, como suor, saliva, secreções, sangue, etc.

Deixe longe de seu piercing: cosméticos, bronzeadores, perfumes, roupas de cama suja, aparelhos de telefone ou qualquer objeto de uso público. As infecções são causadas pelo contato com bactérias e fungos que podem estar em qualquer lugar.

3- QUAIS OS RISCOS ASSOCIADOS A ELE?

FOTOS: FERNANDO GARDINALI
Não importa o local, a higienização afasta o risco de contaminação e acelera o processo de cicatrização

O risco de se contrair uma infecção por más condições de higiene e objetos utilizados no local é muito grande. A jóia pode ainda causar alergia em algumas pessoas, provocar uma lesão em estruturas como veias ou artérias ou ainda, levando às últimas conseqüências, uma necrose (morte do tecido ou de parte dele) na região acometida. Existem também os riscos específicos de cada tipo de piercing. No alto da orelha, por exemplo, por haver baixa vascularização, pode levar à deformação da cartilagem, exigindo cirurgia plástica reparadora. A haste interna do adereço, colocado no nariz, pode machucar o septo nasal (parte que divide o nariz em duas fossas). No umbigo, o corpo estranho pode provocar a formação de cistos, levando à necessidade de cirurgia. Já na língua há risco de desgaste da parte interna dos dentes da frente da arcada inferior e de perda óssea capaz de abalar a estrutura dental.

4- COMO SABER SE O LOCAL JÁ CICATRIZOU? 
Quando não houver mais sangramentos e secreções e o piercing puder ser retirado e colocado sem esforços é sinal de que o local já está cicatrizado. No umbigo, o tempo médio de cicatrização é de seis meses, podendo chegar a um ano, quando há problemas, como atrito entre o adereço e as roupas. Se a região apresentar vermelhidão, coceira e/ou secreção purulenta deve-se procurar um especialista.

Geralmente, diante de alguma complicação, surge uma carne esponjosa chamada granuloma progênico e faz-se necessário a retirada do objeto.

5- QUAIS OS PERIGOS ENVOLVIDOS NA OUSADIA DE SE COLOCAR UM PIERCING GENITAL? 
A localização do piercing genital pode ser, na mulher, no clitóris ou nos lábios internos e externos da vulva e, nos homens, no pênis ou no escroto. O risco nesses casos é grande, pois, após a colocação haverá ali um canal estreito que pode acumular secreções sexuais e propiciar infecções. Há ainda a possibilidade de deformação da pele no local. Algumas pessoas afirmam que ele aumenta o prazer sexual, porém representa riscos tanto para o usuário quanto para o parceiro, podendo causar feridas e aumentando as chances de se contrair uma doença sexualmente transmissível.

6- O PIERCING PODE SER RETIRADO?
Após a cicatrização, este adereço pode ser retirado, desde que saia com facilidade e não haja sangramentos, secreções ou qualquer indício de infecção na região. O problema é que o buraco pode não fechar ou demorar um bom tempo para isso. Se houver qualquer indício de infecção, um especialista deve ser procurado para fazer a retirada segura da jóia, recorrendo a medicamentos, por exemplo, para que não haja complicações maiores.

7- O QUE OBSERVAR NO ESTABELECIMENTO ANTES DE DECIDIR COLOCAR UM DESSES ADEREÇOS? 
Deve-se exigir a utilização de material descartável, como seringas e agulhas, não utilizar medicação já aberta e se certificar de que a jóia passe por um processo de esterilização. Além disso, o ambiente deve ser o mais higiênico possível e o profissional altamente capacitado, já que a colocação de um piercing pode ser considerada um ato cirúrgico. Alguns especialistas recomendam que a pessoa leve o seu médico até o local, antes de contratar o serviço.

Dicas de Piercings ....

Dicas de Piercings.....

21/02/2012 20:31
  Piercing ?! Aiih eu tenhu 14 anos e amanha eu vo por piercing no umbigo será que doi ? teem riscos por eu ser muito nova ? -Olha ja coloquei duas vezes a 1º doeu muitooooo pq foi sem a anestesia mas a 2º foi tranquilo....cuidado pra nao dar queloide! -Due não dói...

 


Menina de 2 anos e meio!

 

 


Menina de 5 anos!

 


Menina de 12 anos!

 

Foram encontradas essas imagens nesse álbum do Orkut.

Infelizmente preciso medir o que vou escrever aqui sob pena de poluir o texto. Mas estou me segurando.
Eu realmente não sei que tipo de pai ou mãe permite a vandalização de seus filhos, principalmente de crianças que quase ainda são bebês!
Depois que o indivíduo está barbado e vacinado tem todo o direito de fazer o que quiser com seu corpo. Ele estará ciente do que isso irá representar e refletir em sua vida. Mas até mesmo adultos se arrependem de ter feito alguma tatoo ou piercing, o que dizer então de uma criança que não tem o menor discernimento das consequências.

A lei que proíbe essa prática em menores é muito vaga. Enquanto de um lado diz ser permitido tatuagens entre 16 e 18 anos – não menciona nada sobre infantes talvez por concluírem ser desnecessário – desde que autorizado pelos pais, de outro lado algumas leis estaduais determinam a proibição total para menores de 18, independente da autorização do responsável.

Mas havendo disposição legal ou não, tal ato infringe o ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE em seu Art. 17:

O direito ao respeito consiste na inviolabilidade da integridade física, psíquica e moral da criança e do adolescente, abrangendo a preservação da imagem, da identidade, da autonomia, dos valores, idéias e crenças, dos espaços e objetos pessoais.

Portanto se houver denúncia, os responsáveis responderão pelo crime de lesão corporalprevisto no Art. 129 do Código Penal.

O que posso dizer é que fiquei estarrecida!

 

O uso de body piercing tem se tornado cada vez mais comum entre os jovens. O que parece ser apenas um simples exercício de vaidade, pode se tornar um sério problema de saúde. A colocação de um piercing não é um processo inócuo. Saiba todos os riscos do procedimento.

A falta de controle sobre quem insere o piercing tem causado inúmeros casos de infecções graves. O piercing está longe de ser um procedimento sem riscos. Até 15% das pessoas apresentam algum tipo de complicação e 1% precisa de internação hospitalar.

A pele é o nosso maior órgão de defesa. Ela impede que as milhões de bactérias que vivem na nossa pele e as que diariamente entram em contato conosco, invadam nosso organismo. Quando furamos essa barreira através de um piercing, estamos expondo nosso interior à germes que causam doenças. Fazendo uma analogia, podemos dizer que um furo ou uma lesão na pele equivale a deixar sua porta aberta em uma vizinhança cheia de ladrões. Pode até não acontecer nada, mas o risco é muito maior do que se a porta estivesse trancada.

Alguns locais como a língua e orelha são mais susceptíveis a complicações. Reparem na figura abaixo como é a distribuição da cartilagem da orelha (clique para ampliar).

fotos piercing - cartilagem
Piercing e cartilagem da orelha (clique para ampliar)

Esta região de cartilagem apresenta uma vascularização sanguínea pobre. Qualquer infecção local pode ser difícil de ser tratada porque havendo pouco sangue, não há fluxo suficiente nem de anticorpos, nem dos antibióticos que possam ser prescritos. Mais uma vez, recorrendo a analogia da porta, a cartilagem seria a vizinhança cheia de ladrões e que a polícia não costuma passar.



fotos piercing - infecção
3 casos (antes e depois) de inflamação da orelha após implantação de piercing.

A foto acima mostra a evolução de 3 casos onde houve uma infecção da cartilagem da orelha provocada por piercing. Nestes casos os antibióticos funcionaram, mas no primeiro e no segundo, reparem que a orelha ficou deformada.



fotos piercing - abscesso
Abscesso na orelha

A infecção local da pele, que pode ser uma celulite ou erisipela, é a complicação mais comum do piercing (leia: ERISIPELA E CELULITE - Sintomas e tratamento). Em alguns casos a infeção pode evoluir com a formação de um abscesso, como na foto abaixo.



fotos piercing - quelóide
Quelóide

Outra complicação é a formação de queilóides, que são cicatrizes hipertrofiadas, que podem ocorrer após processos inflamatórios exuberantes. O quelóide pode ser deformante, como na foto à esquerda. Este quelóide pode ocorrer em qualquer sítio do corpo onde haja uma reação ao piercing.



 

A língua é outro local que costuma infectar. O problema é o oposto da cartilagem. Ela é um órgão extremamente vascularizado e localizado em uma região com elevada carga de bactérias, como é a cavidade oral. A boca é dos pontos do corpo humano com maior concentração de bactérias. Como há muito fluxo de sangue, qualquer infecção na língua pode facilmente atingir a circulação sistêmica e acometer outros órgãos distantes.



fotos piercing - abscesso cerebral
Paciente no pós-cirúrgico de abscesso cerebral
(clique p/ampliar. Atenção: A imagem acima  pode ser considerada forte para certas pessoas)

A foto ao lado é de uma adolescente que apresentou um quadro grave de infecção da língua e evoluiu com abscesso cerebral apenas 4 semanas após a colocação do piercing. A bactéria entrou pelo orifício do piercing, alcançou a circulação sanguínea e foi se alojar no cérebro.

Outro órgão distante que pode ser acometido são as válvulas cardíacas, causando uma grave infecção chamada de endocardite infecciosa (leia: ENDOCARDITE| Sintomas e tratamento)

Outras complicações do piercing que podem acontecer são:

- Alergia ao metal (aço cirúrgico, ouro 14K e titânio são os melhores metais para evitar alergias)
- Intensa dor local
- Sangramento incontrolável da língua
- Aspiração do piercing pelos pulmões
- Infecção por hepatite Bhepatite C ou HIV
- Infecções gengivais
- Parafimose, nos casos de colocação de piercings no pênis (leia: FIMOSE | PARAFIMOSE

Qualquer região do corpo pode apresentar infecções graves. Isso inclui genitais, umbigo, sobrancelhas, mamilos etc... Lembre-se, se a barreira da pele foi quebrada, há riscos de contaminação bacteriana.

Quanto menos cuidado com a assepsia houver no momento da inserção do piercing, maiores os risco de complicação. Nos EUA existem relatos de epidemias de infecções bacterianas relacionadas a alguns locais de tatuagem que realizam implantações de piercing sem os cuidados necessários.

A infecção da pele ao redor do piercing pode levar a quadros de sepse e, consequentemente, à morte (leia: O QUE É SEPSE E CHOQUE SÉPTICO ?)

Antes de se submeter a um piercing, procure informações do local. A implantação de qualquer objeto através de quebra da barreira da pele deve ser considerada como um procedimento cirúrgico e, como tal, deve estar submetida a criteriosos padrões de assepsia. As complicações podem além de colocar a vida em risco, ser deformantes em alguns casos.

Se você tem histórico de quelóides, procure antes a orientação de um dermatologista.

Leia o texto original no site MD.Saúde: BODY PIERCING | PERIGOS E COMPLICAÇÕES http://www.mdsaude.com/2008/10/piercing.html#ixzz1n3uUSIjI

 

Já fiz um post um pouco forte há algum tempo ( VEJA CLICANDO AQUI ) sobre o perigo dos piercings e alargadores se colocados em um local sem higiene ou com uma pessoa que não seja profissional.
Algumas pessoas só entendem assim, com tratamento de choque como esse. Por isso resolvi fazer a segunda parte do post e dar mais alguns exemplos do que pode acontecer com seu corpo caso não seja feito o procedimento adequado e utilizado a jóia correta.
As fotos, em sua maioria, foram retiradas do site news.bmezine.com . Site dedicado a dicas, procedimentos, cuidados sobre modificações corporais, vale a visita.
Utilizei como fonte, para os perigos relatados abaixo, o site Banco de Saúde. Sugiro que visitem constantemente esse site, pois você encontrará várias dicas, matérias e diversas informações para manter-se saudável.

Somente veja todas as fotos se não for sensível a fotos fortes, o conteúdo é interessante pra quem deseja colocar um piercing, alargador ou qualquer outra modificação corporal. Lembrem-se SEMPRE VÁ A UM PROFISSIONAL QUALIFICADO.
Chega de explicações, se você não se convencer depois de ver essas fotos e as dicas entre elas, eu desisto.rs.

A falta de higiene ajuda para que uma infecção surja, mas mesmo que o profissional que está realizando a perfuração observe todos os cuidados de higiene e o material do piercing seja inerte, como o aço cirúrgico, o risco de complicações ainda existe.

Veja o que que piercings e alargadores podem fazer com você - Parte 2

 

Veja o que que piercings e alargadores podem fazer com você - Parte 2
Veja o que que piercings e alargadores podem fazer com você - Parte 2
Veja o que que piercings e alargadores podem fazer com você - Parte 2
Veja o que que piercings e alargadores podem fazer com você - Parte 2
Veja o que que piercings e alargadores podem fazer com você - Parte 2
Veja o que que piercings e alargadores podem fazer com você - Parte 2
Veja o que que piercings e alargadores podem fazer com você - Parte 2

 

O perigo fica ainda maior quando os adereços são colocados em áreas formadas por cartilagem ou em locais úmidos como a boca e os genitais. Em entrevista a revista Veja, Gilberto Sitchin, otorrinolaringologista do Hospital São Luiz, em São Paulo explicou que os locais feitos de cartilagem, como algumas partes da orelha, são pouco vascularizados o que dificulta a resposta do corpo a alguma infecção.

Veja o que que piercings e alargadores podem fazer com você - Parte 2
Veja o que que piercings e alargadores podem fazer com você - Parte 2
Veja o que que piercings e alargadores podem fazer com você - Parte 2

Já as áreas úmidas são perfeitas para a proliferação de bactérias, principalmente os genitais que além de ficarem perto do ânus sempre estão em contato com secreções naturais do corpo como a menstruação e a urina. Além de quelóides as perfurações feitas nessas áreas podem provocar rejeição e irritações na pele.

Veja o que que piercings e alargadores podem fazer com você - Parte 2
Veja o que que piercings e alargadores podem fazer com você - Parte 2
Veja o que que piercings e alargadores podem fazer com você - Parte 2
Veja o que que piercings e alargadores podem fazer com você - Parte 2
Veja o que que piercings e alargadores podem fazer com você - Parte 2
Veja o que que piercings e alargadores podem fazer com você - Parte 2
Veja o que que piercings e alargadores podem fazer com você - Parte 2
Veja o que que piercings e alargadores podem fazer com você - Parte 2
Veja o que que piercings e alargadores podem fazer com você - Parte 2
Veja o que que piercings e alargadores podem fazer com você - Parte 2
Veja o que que piercings e alargadores podem fazer com você - Parte 2
Veja o que que piercings e alargadores podem fazer com você - Parte 2
Veja o que que piercings e alargadores podem fazer com você - Parte 2
Veja o que que piercings e alargadores podem fazer com você - Parte 2
Veja o que que piercings e alargadores podem fazer com você - Parte 2
Veja o que que piercings e alargadores podem fazer com você - Parte 2
Veja o que que piercings e alargadores podem fazer com você - Parte 2
Veja o que que piercings e alargadores podem fazer com você - Parte 2
Veja o que que piercings e alargadores podem fazer com você - Parte 2
Veja o que que piercings e alargadores podem fazer com você - Parte 2
Veja o que que piercings e alargadores podem fazer com você - Parte 2
Veja o que que piercings e alargadores podem fazer com você - Parte 2

Quanto aos piercings que são feitos na boca, segundo cientistas da Universidade de Ohio eles podem causar até mesmo a perda de dentes. Depois de realizarem pesquisa sobre os malefícios que o acessório nos lábios pode causar, os pesquisadores alertaram para os perigos envolvidos na colocação e manutenção do objeto.

Veja o que que piercings e alargadores podem fazer com você - Parte 2

De acordo com os especialistas o acessório esbarra nos dentes podendo causa retração da gengiva e até mesmo a perda de algum dente. Eles também alertam para a quantidade de tempo que uma pessoa fica com o objeto nos lábios, pois os problemas tendem a se intensificar com o uso prolongado do acessório.

Veja o que que piercings e alargadores podem fazer com você - Parte 2
Veja o que que piercings e alargadores podem fazer com você - Parte 2
Veja o que que piercings e alargadores podem fazer com você - Parte 2



Read more: http://www.filhotedepombo.com/2011/01/veja-o-que-que-piercings-e-alargadores.html#ixzz1n3to1pwq

 

O QUE VOCÊ PRECISA PARA FAZER UM PIERCING:

      Ser maior de 18 anos e vir com documento original.
      Não estar alcoolizado ou sob efeito de drogas.
      Estar bem alimentado (no mínimo 2h antes) e descansado.

CICATRIZAÇÃO NORMAL DO PIERCING:

      Pode ocorrer coceira, vermelhidão ou mesmo um pequeno hematoma por algumas semanas.
      Pode ocorrer sangramento nos primeiros dias, especialmente em perfurações genitais. 
      Pode ocorrer secreções ouo mesmo a formação de uma casca ao redor da jóia - ISTO NÃO É PUS.
      Pode ocorrer inchaço, dando a impressão da jóia estar mais justa, dificultando sua movimentação.

COMO LIMPAR SEU PIERCING:

      Sempre lave suas mãos com SABONETE ANTI-SÉPTICO antes de tocar no piercing. Aplique o SABONETE ANTI-SÉPTICO LÍQUIDO ANTIBAC, PROVON JOHNSON (TRICLOSAM, CLORAXILENOL) até formar espuma, gentilmente gire a jóia, deixe agir por alguns segundos e enxágüe completamente.
      Certifique-se que não fique nenhum resíduo ou secreção.
      Procure movimentar a jóia somente quando estiver no banho, com água morna, pois ficará mais fácil remover as secreções.
      Limpe seu piercing somente duas vezes ao dia, pois o excesso poderá causar danos na formação das novas células. Lembre-se que seu piercing está na fase da cicatrização.
      Toue no seu piercing somente quando estiver limpando-o.

COMO LIMPAR SEU PIERCING ORAL:

Língua / Lábio / Labrete

      Após as refeições, fumar ou comer alguma coisa, lave sua boca com a solução de anti-séptico bucal (Listerine, Cepacol etc...) sempre dissolva 50% em água.
     Chupe gelo e beba água gelada nos três primeiros dias.
     A princípio, a jóia que foi colocada será maior que o tamanho normal, pois ocorrerá inchaço pelo período de cinco a dez dias.
     Evite bebidas alcoólicas, trocas de saliva, alimentos apimentados e ácidos durante a fase de cicatrização.

O QUE VOCÊ TAMBÉM PODE FAZER PELO SEU PIERCING:

Vitamina C - 1 mg ao dia, Zinco em cápsulas de 50 mg ao dia.
Compressa de salmoura:
 em um copo d'água fervida, adicione uma colher pequena de sal marinho. Espere ficar morna e embebeda um algodão nesta solução, faça a compressa por dez a quinze minutos, diariamente, no primeiro mês. Utilize uma solução para cada piercing.
Limpar as secreções com soro fisiológico.

CUIDADOS GERAIS COM O PIERCING:

      Atritos causados por roupas apertadas, pesadas ou por movimento execessivos podem causar quelóides, irritação da pele, formando um vermelho escuro ao redor do piercing e até pode levar a rejeição.
     Evite sauna, piscina, banho de mar ou lagoa e excesso de sol.
     Use sempre roupas limpas e confortáveis.
     Evite roupa justa e sintética que fique em contato com o piercing, pois dificultam a respiração da pele.
     Stress, má alimentação, uso de drogas e álcool ou doença podem prolongar o período da cicatrização.
     Nunca deixe outra pessoa tocar no piercing sem lavar as mãos.
     Não tenha contato com fluídos de outras pessoas, como suor, saliva, secreções, sangue e etc...
     Deixe, à distância de seu piercing, cosméticos, bronzeadores, perfumes, roupas sujas de cama, aparelho de telefone (com piercing na orelha) ou qualquer objeto sem higiene.

     As infecções são causadas pelo contato com bactérias, fungos e seres patogênicos que estão em todos os lugares. por isso, PREVINA-SE.

O QUE VOCÊ NÃO PODE APLICAR NO SEU PIERCING:

      NÃO aplique álcool, água oxigenada, mertiolate, mercúrio, pomadas (Nebacetim, Minancora, Fibrase etc.) ou qualquer outro produto não indicado pelo profissional.

INFECÇÕES E INFLAMAÇÕES SÃO RARAS, PORÉM PODEM OCORRER DEVIDO AOS MAUS TRATOS

Alguns sintomas de inflamações e infecções:
      O local fica muito inchado e latejando.
      A presença de cor avermelhada e escura e a sensação "quente" ao redor do piercing.
      Descarga incomum de fluídos amarelos, verde ou cinza (pus).
      Muita dor local.

O QUE FAZER SE ESTIVER INFLAMADO OU INFECCIONADO?

      Não retire a jóia, procure imediatamente o profissional que aplicou o piercing ou a ajuda de um médico.

POR QUE PODEM OCORRER REJEIÇÕES?

      Quando a perfuração for muito superficial.
     Jóia inadequada (tamanho, calibre, diâmetro e modelo).
     Maus tratos ou uso de produtos inadequados na fase de cicatrização.
     O local escolhido para o piercing não corresponde à anatomia ou tipo de pele para comportar a jóia no corpo.

QUAL É O TEMPO ESTIMADO PARA CICATRIZAÇÃO DO PIERCING?

ORAL:
Lábio, Labrete 
6 a 8 semanas.
Língua - 4 a 6 semanas.
Bochecha - 2 a 3 meses

FACE:
Lóbulo (orelha), Sobrancelha, Septo - 
6 a 8 semanas.
Cartilagem da orelha, aba do nariz (nostril) - 2 mêses a 1 ano.

TRONCO:
Umbigo
 - 6 mêses a 1 ano.
Mamilo - 4 mêses a 1 ano.

GENITAIS:
Clit Hood, Lábia interna, Clitóris, Prince Albert - 
4 a 8 semanas.
Dydoe - 2 a 6 mêses.
Ampallang, Apadravya - 4 a 8 meses.

Obs: As pessoas são diferentes uma das outras, por isso o período de cicatrização pode mudar de pessoa para pessoa. Você só poderá trocar a jóia ou retirá-la quando o piercing estiver completamente cicatrizado. Isso vale também para alargar a perfuração.

 

O que você precisa para fazer um piercing:
 
Não estar alcoolizado ou sobre efeito de drogas.
 
Estar bem alimentado (no mínimo 2h antes) e descansado.
 
 
 
Cicatrização normal do piercing:
 
Pode ocorrer coceira, vermelhidão ou mesmo um pequeno hematoma por algumas semanas.
 
     Pode ocorrer sangramento nos primeiros dias, especialmente em perfurações genitais.
 
Pode ocorrer secreções ou mesmo formação de uma casca em redor da jóia - isto não é pus.
 
Pode ocorrer inchaço, dando a impressão da jóia estar mais justa, dificultando sua movimentação.
 
 
 
Como limpar seu piercing:
 
   Sempre lave suas mãos com SABONETE ANTI-SÉPTICO antes de tocar no piercing.
 
 Aplique o SABONETE ANTI-SÉPTICO LÍQUIDO ANTIBAC, PROVON JOHNSON
 
 (TRICLOSAM, CLORAXILENOL) até formar espuma, gentilmente gire a jóia, deixe agir
 
 por alguns segundos e enxague completamente.
 
Procure movimentar a jóia somente quando estiver no banho, com água morna, pois ficará
 
 mais fácil remover as secreçòes.
 
Limpe o seu piercing de duas a trêz vezes ao dia, com ANTI-SÉPTICO da JOHNSON, pois
 
 o excesso poderá causar danos na formação de novas células. Lembre-se que seu piercing
 
 esta na fase de cicatrização.
 
Toque no seu piercing somente quando estiver limpando-o.
 
 
 
Como limpar seu piercing oral:
 
Língua / Lábio / Labret
 
Após as refeições, fumar ou comer alguma coisa, lave sua boca com a solução de anti-séptico
 
 bucal ( Listerine, Cepacol etc. ) sempre dissolva 50% em água.
 
Chupe gelo e beba água gelada nos três primeiros dias.
 
A principio, a jóia que foi colocada será maior que o tamanho normal, pois ocorrerá inchaço
 
 pelo período de cinco a dez dia.
 
Evite bebidas alcoólicas, trocas de salivas, alimentos apimentados e ácidos durante a fase de
 
 cicatrização.
 
 
 
O que você pode fazer pelo seu piercing:
 
Vitamina C - 1mg ao dia
 
Zinco em cápsula de 50 mg ao dia
 
Compressa de salmora: em um copo com água fervida, adicione uma colher pequena de sal
 
 marinho. Espere ficar morna e embebeda um algodão, faça a compressa por deza quinze
 
 minutos, diariamente, no primeiro mês. Utilize uma solução para cada piercing.
 
Limpar as secreções com soro fisiológico.
 
 
 
Cuidados gerais com o piercing:
 
Atrito causadas por roupas apertadas, pesadas ou por movimentos excessivos podem causar
 
 queloides, irritação da pele, formando um vermelho escuro ao redor do piercing e pode levar
 
 até a rejeição.
 
Evite sauna, piscina, banho de mar ou lagoa e excesso de sol.
 
Use sempre roupas limpas e confortáveis.
 
Evite roupas justas e sintéticas que fique em contato com o piercing, pois dificulta a
 
 respiração da pele.
 
Stress, má alimentação, não comer carne de porco, ovo frutos do mar, comida gordurosa e
 
 apimentada e chocolate, uso de drogas e álcool ou doença pode prolongar o periodo de
 
 cicatrização.
 
Nunca deixe outra pessoa tocar em seu piercing sem lavar as mãos.
 
Não tenha contatos com fluidos de outras pessoas, como suor, saliva, secreção, sangue etc.
 
Deixe, à distância de seu piercing, cosméticos, bronzeadores, perfumes, roupas sujas de
 
 cama, aparelhos de telefone (como piercing na orelha) ou qualquer objeto sem higiene.
 
As infecções são causadas pelo contato de bactérias, fungos e seres patogênicos que estão em
 
 todos os lugares. Por isso PREVINA-SE.
 
 
 
O que você não pode aplicar no seu pierciong:
 
NÃO aplique  álcool, água oxigenada, metiolate, mercurio, pomada (Nebacetim, Minancora,
 
 Fibrase etc.) ou qualquer outro produto indiacado pelo profissional.
 
 
 
Infecções e inflamações são raras, porem podem ocorrer devido aos maus tratos.
 
Alguns sintomas ed inflamações e infecções:
 
O local fica muito inchado e latejando.
 
A presença de cor avermelhada e escura e a sensação "quente" ao redor do piercing.
 
Descarga incomum de fluidos amarelos, verde ou cinza (pus).
 
Muita dor no local.
 
 
 
O que fazer se estiver inflamado ou infeccionado ?
 
Não retire a jóia, procure imediatamente o profissional que aplicou o piercing ou a ajuda de
 
 um médico.
 
 
 
Por que pode ocorrer rejeições?
 
Quando a perfuração for muito superficial.
 
Jóia inadequada (tamanho, calibre, diâmetro e modelo).
 
Maus tratos ou uso de produtos inadequados na fase de cicatrização.
 
O local escolhido para o piercing não corresponde à anatomia ou tipo de pele para comportar
 
 a jóia no corpo.
 
 
 
Qual é o tempo estimado para cicatrização do piercing?
 
Oral:
 
Lábio, Labret - 6 a 8 semanas
 
Língua - 4 a 6 semanas
 
Bochecha - 2 a 3 semanas
 
Face:
 
Lóbulo (orelha), Sobrancelha, Septo - 6 a 8 semanas
 
Cartilagem da orelha, aba do nariz (nostril) - 2 meses a 1 ano
 
Tronco:
 
Umbigo - 6 meses a 1 ano
 
Mamilo - 4 meses a 1 ano
 
Genitais:
 
Clit Hood, Lábia Interna, Clitóris, Prince Albert - 4 a 8 semanas
 
Lábia Externa, Frenum, Guiche, Hafada, Dydoe - 2 a 6 meses
 
Ampallang, Apadravya - 4 a 8 meses
 
 
 
As pessoas são diferentes umas das outras, por isso o periodo de cicatrização pode mudar de pessoa para pessoa. Você só poderá trocar a jóia ou retira-la quando o piercing estiver completamente cicatrizado. Isso vale também para alargar a pefuração.
 
 

 

O aspecto da cicatriz é desagradável, principalmente quando o problema se transforma em quelóide. Se a marquinha te incomoda, preste atenção, o cirurgião da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, Marcelo Assis explica como tratar e evitar o problema.

“Quelóide é um processo normal de cicatrização, mas que não para, resultando num nódulo grosso com dor e coceira no local.  A cicatriz exagerada pode ser tratada através de procedimentos estéticos específicos ou prevenida com placas de silicone, fitas de corticóide e técnicas cirúrgicas menos invasivas”, conta o cirurgião.

É importante lembrar que algumas pessoas tem predisposição genética para formar quelóides como é o caso de peles negras e asiáticas. Outro erro comum é que alguns tipos de cicatrizes podem ser confundidas com quelóides, mas nem sempre o processo natural chega a má cicatrização.

Conheça os diferentes tipos de tratamentos para o quelóide: 
  
Infiltração com corticóide: melhora de imediato os sintomas de coceira e dor. É realizada uma infiltração a cada três semanas até o nivelamento da cicatriz com a pele ao redor. Esse tipo de tratamento tem uma recidiva (retorno) do quelóide em torno de 70%. 
 
Exérese (retirada) parcial do quelóide com infiltração de corticóide: excelente tratamento com custo baixo. A cicatriz é retirada parcialmente deixando em torno de 10% para “enganar” o quelóide. “Enganar o quelóide significa manter uma parte da cicatriz para evitar a reativação da mesma.  Se a cicatriz for totalmente retirada, o quelóide se reativa ficando com o dobro do tamanho de antes do tratamento”, explica.  Após a retirada dos pontos é realizada infiltração de corticóide a cada três semanas até o nivelamento com a pele. O retorno do quelóide nesta técnica é de 30%. 
  
Exérese total com betaterapia: técnica mais eficiente, mas com custo muito alto. É feita a retirada total da cicatriz e no mesmo dia é realizada uma sessão de betaterapia que são emissões de radioterapia local para conter o processo de cicatrização exagerada do quelóide. A taxa de recidiva desta técnica é de 10%

 Com o objetivo de estabelecer o melhor tratamento para o quelóide do lóbulo da orelha, foi realizado este estudo, que comparou a administração intralesional de triancinolona (TCN) nas concentrações de 10 mg/ml, 20 mg/ml ou 40 mg/ml complementadas com a retirada cirúrgica do quelóide.

Foram estudados 46 pacientes consecutivos com 81 quelóides no lóbulo da orelha.

Eles foram submetidos a infiltração de TCN nas concentrações de 40 mg/ml (2mg de TCN por mm³ de lesão) (Grupo 1), 20mg/ml (1mg de TCN por mm³ de lesão)( (Grupo 2) e 10 mg/ml (0,5mg de TCN por mm³ de lesão)( (Grupo 3).

Foram tratados quelóides primários e ou recidivados, com infiltração mensal durante três meses.

Em seguida, os pacientes foram submetidos a exérese do quelóide e infiltração de TCN no quarto mês, seguida de mais duas infiltrações de TCN nos dois meses seguintes.

Os quelóides foram medidos antes do tratamento, no seu maior diâmetro e altura, com paquímetro digital.

A dose de TCN foi diretamente proporcional ao tamanho da cicatriz.

Os pacientes usaram brincos de pressão após a operação durante quatro meses.

O seguimento foi de 24 meses.

A análise estatística permitiu concluir que a TCN nas concentrações de 20 mg/ml e 40 mg/ml foi eficaz para o tratamento combinado do quelóide, sem diferença entre essas concentrações.

No entanto, os pacientes nos quais a TCN foi injetada a 10 mg/ml não tiveram involução satisfatória do quelóide e o estudo foi interrompido.

O Grupo 1 que recebeu a TCN de 40 mg/ml apresentou como complicação reação anafilática (dois pacientes) e recidiva parcial do quelóide (outros dois pacientes).

No Grupo 2 que recebeu TCN de 20 mg/ml, verificou-se infecção de ferida com recidiva de quelóide em um paciente e reação anafilática em outro.

Concluindo, a combinação de infiltração intralesional mensal de TCN 20 mg/ml, exérese cirúrgica do quelóide e aplicação de dispositivo de pressão no lóbulo da orelha foi o melhor tratamento para quelóide localizado no lóbulo da orelha neste trabalho.

 

    Quelóides, Cicatrização Hipertrófica e Betaterapia.

 

Os quelóides e cicatrizes hipertróficas são tipos de cicatrizes benignas que acontecem pela proliferação anormal do tecido de granulação e depósito de colágeno após ocorrer alguma lesão na pele, levando a uma cicatriz elevada que pode se apresentar até como nodulações, com dor e coceira. A principal diferença entre as duas é que o crescimento do quelóide não respeita os limites originais do ferimento inicial, enquanto a cicatriz hipertrófica sim.

 

 

 

Uma vez formada a cicatriz anômala, caso haja algum sintoma no paciente ou desconforto estético, a terapêutica mais eficaz consiste na remoção cirúrgica da cicatriz, seguida de algum método adicional para prevenir a recidiva, como injeção local de corticóides ou a betaterapia.

 

 

 

As taxas de recidiva de quelóides chegam a 45-100% quando apenas utilizada a cirurgia, caindo para menos de 50% com a injeção de corticóides. A utilização da betaterapia após a cirurgia leva a uma redução da recidiva para taxas de 10-30%, sendo uma terapêutica altamente efetiva. O uso pós-operatório de bandagens de silicone em conjunto com a betaterapia potencialmente diminuem ainda mais a chance do problema voltar.

 

 

 

Mas, o que é a betaterapia? A betaterapia consiste em um tratamento de contato na região da cicatriz realizado com uma placa radioativa. Este tratamento indolor usualmente é realizado entre 4-10 sessões de 30 minutos , diariamente ou em dias alternados, conforme a indicação do médico rádio-oncologista. Por ter uma energia muito baixa, não há penetração da radiação além da superfície da pele, tratando apenas o local necessário.

 

 

 

Pessoas com tendência a cicatrização hipertrófica ou formação de quelóides devem, quando possível, buscar a opinião de um médico radioterapeuta ou rádio-oncologista antes de se submeter a um procedimento cirúrgico, para que se possa em tempo hábil realizar a programação do tratamento com radiação, se este estiver indicado.

 

 

 

 

Doenças da Pele

Quelóide

O que é?

O quelóide é uma lesão proliferativa, formada por tecido de cicatrização, fibroso, secundária a um traumatismo da pele. Há uma predisposição individual para o seu aparecimento, sendo mais comum em negros e mestiços.

A acne do tronco pode dar origem a lesões queloideanas (acne queloideano) e também um tipo de foliculite que ocorre na nuca (foliculite queloideana).

Manifestações clínicas

O quelóide é uma lesão tumoral, de superfície lisa e consistência endurecida. No início, geralmente tem cor rósea ou avermelhada adquirindo, mais tarde, cor semelhante à pele normal ou escurecida. A região anterior do tórax e os ombros são localização frequente de quelóides.

Difere das cicatrizes hipertróficas, nas quais o tecido cicatricial aumentado não excede a localização do traumatismo e tende a se reduzir com o passar do tempo.

Nas fotos abaixo, percebe-se que o quelóide mudou de forma e aumentou de tamanho, mas a cor tornou-se menos avermelhada e mais semelhante à da pele.



Mesmo pequenos traumatismos, como um furo de orelha (foto abaixo) podem dar origem a quelóides.

Tratamento

O tratamento do quelóide é muitas vezes difícil, sendo frequente o seu retorno. A retirada cirúrgica deve sempre ser acompanhada de outros tratamentos, como infiltração de corticosteróides, compressão ou radioterapia. A crioterapia com nitrogênio líquido (tratamento que congela o quelóide), precedendo a infiltração, também pode trazer bons resultados.

A associação das técnicas de tratamento aumenta a chance de cura e deve ser determinada de acordo com cada caso.

 

 

Referências bibliográficas

  1. Mafong EA, Ashinoff R. Treatment of hypertrophic scars and keloids: a review. Aesthetic Surg J. 2000; 20(2):114-21.

  2. Giorgi V, Sestini, FS, Mannone, FP, Alfaioli BA, Lotti GT. The use of silicone gel in the treatment of fresh surgical scars:a randomized study. Journal compilation British Association of Dermatologists Clinical and Experimental Dermatology. 2009; (34) 688–693.

  3. Gawkrodger, DJ. Dermatologia. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002.

  4. Atiyeh, BS. Nonsurgical management of hypertrophic scars: evidence-based therapies, standard practices, and emerging methods. Aesthetic Plast Surg2007; 31(5):468–92.

  5. Barolet D, Boucher A. Prophylactic Low-Level Light Therapy for the Treatment of Hypertrophic Scars and Keloids: A Case Series. Lasers Surg. 2010; Med. 42:597–601.

  6. Mutalik S. Treatment of keloids and hypertrophic scars. Indian J Dermatol Venereol Leprol 2005; 71(1): 3–8.

  7. Guirro ER. Fisioterapia dermato-funcional. 3ª ed. São Paulo: Manole; 2002.

  8. Ferreira FPM, Ferreira EM, Almeida PN, Diniz JV, Lima JCSA, Turrer CL et al.A interferência do tipo de excisão na recidiva do quelóide: estudo com dois anos de acompanhamento. Rev Bras Cir Plást 2009; 24(3): 281-5.

  9. Chuma J, Chike-Obi, Patrick D. Keloids: Pathogenesis, Clinical Features, and Management. Cole and Anthony E. Brissett. Semin Plast Surg 2009; 23:178–184.

  10. Wolfram D, Tzankov A, Pu¨ lzl P, Piza-Katzer H. Hypertrophic scars and keloids—A review of their pathophysiology, risk factors, and therapeutic management. Dermatol Surg 2009; 35(2):171–181.

  11. Alster, T. Laser scar revision: comparison study of 585 nm pulsed dye laser with and without intralesional corticosteroids. Dermatol Surg. 2003; 29: 1.

  12. Carvalho, RLP. O uso do Laser Diodo de 830nm em cicatrizes pós – cirúrgicas de hérnia inguinal. Um estudo clínico. Dissertação de Mestrado. São Paulo, 2009.

  13. Paul KA. Medical and surgical therapies for keloids. Dermatol Ther 2004; 17: 212–8.

  14. Ogawa R, Miyashita T, Hyakusoku H, Akaishi S, Kuribayashi S, Tateno A. Postoperative radiation protocol for keloids and hypertrophic scars: statistical analysis of 370 sites followed for over 18 months. Ann Plast Surg. 2007; 59:688–691.

  15. Annacontini L, Parisi D, Maiorella A, Campanale A, Gozzo G, Portincasa A. Long-term follow-up in the treatment of keloids by combined surgical excision and immediate postoperative adjuvant irradiation. Plast Reconstr Surg. 2008; 121:338–339.

  16. Flickinger JC. A Radiobiological Analysis of Multicenter Data for Postoperative Keloid Radiotherapy. Int J Radiation Oncology Biol Phys 2010; 1–7.

  17. Hanassono, MM. The effect of silicone gel on basic fibroblast growth factor levels in fibroblast cell culture. Arch Facial Plast Surg, 2004; 6 :( 2): 88-93.

  18. O’Brien LL. Abhay Pandit. Silicon gel sheeting for preventing and treating hypertrophic and keloid scars (Review). Cochrane Database of Systematic Reviews 2006.

  19. Signorini M, Clementoni MT. Clinical evaluation of a new self-drying silicone gel in the treatment of scars: a preliminary report. Aesthetic Plast Surg2007; 31(2):183–7.

  20. Gold MH, Foster TD, Adair MA, Burlison K, Lewis T. Prevention of Hypertrophic Scars and Keloids by the Prophylactic Use of Topical Silicone Gel Sheets Following a Surgical Procedure in an Office Setting. Dermatol Surg 2001; 27:641–644.

  21. Mustoe TA, Cooter RD, Gold M. International clinical recommendations on scar management. Plast Reconstr Surg. 2002; 110:560–571.

  22. Leventhal D, Furr M, Reiter D. Treatment of keloids and hypertrophic scars. A meta-analysis and review of literature. Arch Facial Plast Surg. 2006; 8:362–368.

  23. Manuskiatti W, wanitphakdeedecha R, Fitzpatrick RE. Effect of Pulse Width of a 595-nm Flashlamp-Pumped Pulsed Dye Laser on the Treatment Response of Keloidal and Hypertrophic Sternotomy Scars. Dermatol Surg 2007; 33:152–16.

  24. Asilian A, Darougheh A, Shariati F. New Combination of Triamcinolone, 5-Fluorouracil, and Pulsed-Dye Laser for Treatment of Keloid and HypertrophicScars Dermatol Surg 2006; 32:907–915.

  25. Larios G, Gregoriou S, Rigopoulos D. Further Options for Treatment of Hypertrophic Scars and Keloids. Dermatol Surg 2010; 36:268–274 2010.

 

Silicone gel

    O uso de gel de silicone tópico pode ser promissor no tratamento de quelóides e cicatrizes hipertróficas, este gel modula o nível de fatores de crescimento de fibroblastos, placas de silicone em gel associada com excisão cirúrgica podem ser efetivas para cicatrizes hipertróficas decorrentes de tensão excessiva, complicações de ferida, tais como infecções e cicatrização retardada17.

    Silicones são usados para diminuir a cicatriz através da hidratação da ferida, através do aumento da carga estática e modulação de fatores de crescimento. Silicone gel folha é um auto-adesivo projetado para ser usado na pele intacta para prevenir e tratar novas e antigas cicatrizes hipertróficas e quelóides18.

    Cicatriz hipertrófica é mais comum na pele clara, e tende a acompanhar a cirurgia e queimaduras, enquanto cicatriz quelóide é mais comum em uma pele mais escura e ocorre após lesões triviais, como picadas de insetos, perfuração da orelha e vacinação. Cicatrizes que ocorrem em alguns locais do corpo, tais como a parte inferior do rosto, pescoço e braços estão mais propensas a desenvolver de maneira anormal.

    Um estudo realizado envolvendo 15 ensaios clínicos com pacientes de 2-81 anos com o objetivo de estudar a efetividade do gel de silicone na prevenção e tratamento cicatriz hipertrófica e quelóide observou- se a redução da espessura da cicatriz, melhora da cor, porém ainda não está claro se folhas de gel de silicone ajudam a prevenir cicatrizes ou se é eficaz apenas no tratamento de cicatrizes hipertróficas e quelóides18.

    Através de um estudo randomizado e controlado para avaliar a eficácia de um gel de silicone no tratamento de feridas cirúrgicas em comparação com um grupo controle com o mesmo fenótipo e local da cicatriz, concluiu-se que o silicone gel é capaz de reduzir a formação de cicatrizes hipertróficas e queloideanas bem como os sinais e sintomas associados ao processo de cicatrização (parestesia, sensação de puxar, alterações da cor)2.

    Porém um dos problemas enfrentados na utilização do silicone gel seriam as áreas visíveis, como face, existindo algumas dificuldades de aplicação e visibilidade do tratamento e também a necessidade de realizar múltiplas aplicações em um dia19.

    Estudos realizados para determinar se a cobertura tópica gel de silicone pode ser usado para prevenir as cicatrizes hipertróficas e quelóides em pós - cirurgia dermatológica utilizou folhas silicone gel concluindo que parece ser satisfatório na prevenção de cicatrizes hipertróficas e quelóides20.

Injeção intralesional

    O principal mecanismo de ação dos corticóides permanece pouco esclarecido, apesar de ser utilizado na prevenção e controle cicatricial desde 1960, corticóide parece agir inibindo a alfa-2-macroglobulina que, por sua vez, inibe a ação da colagenase 13.

    Esteróides intralesional são os mais eficazes e amplamente utilizados para tratamento de quelóides. Intralesional de triancinolona, hidrocortisona, antiinflamatórios, são usados com freqüência como terapia de primeira linha para quelóides.

    Um estudo relatou que a injeção intralesional de triancinolona levou à melhora sintomática em 72% dos pacientes e achatamento completo em 64% das lesões21. No entanto, as taxas de cura a longo prazo permaneçam duvidosas. Um outro estudo realizado encontrou uma taxa de recorrência de 5 anos de 50% em acetona triancinolona usado como monoterapia22.

Laserterapia

    Estudo realizado para investigar a largura de pulso do Laser Corante pulsado (PDL) de 595 nm no tratamento de quelóide e cicatriz hipertrófica em pacientes submetidos à cirurgia de esternotomia mediana, observou-se que a largura de pulso de 0.45 ms foi mais eficaz na redução do tamanho da cicatriz e na melhora da elasticidade do que a largura de pulso de 40 ms na dose de 7J/cm2 e também que foi eficaz no tratamento de cicatrizes hipertróficas e quelóides em indivíduos de pele escura23.

    Estudos realizados utilizando Laser Corante pulsado (PDL) + Triancinolona intralesional (TAC15) + fluorouracil (FU1) concluíram que parece ser uma combinação com a melhor abordagem para o tratamento de cicatrizes hipertróficas e quelóides24.

Técnica cirúrgica

    O emprego de técnica cirúrgica adequada, conformidade com as linhas preferenciais de incisão, evitar manipulação excessiva e traumatismo nos tecidos, remoção de corpos estranhos, sutura por planos, diminuir a tensão na cicatriz, prevenção de hematomas e infecções são medidas que contribuem para a obtenção de cicatrizes de boa qualidade8.

    No tratamento cirúrgico, justificam-se a excisão intralesional, mantendo as bordas do tecido queloidiano, por estar associada à menor índice de recidiva quando comparado à excisão justa ou extralesional8.

Fator de Crescimento Transformador beta – I (TGF –BI)

    Estudos demonstraram que o ponto de prova recente para o fator de crescimento transformador beta-I (TGF-BI) tem um papel importante na formação de cicatrizes hipertróficas e quelóides10.

    Os resultados de pesquisas em cicatrização de feridas nas últimas décadas têm demonstrado que os tecidos de cicatriz hipertrófica e quelóides apresentam maiores níveis de expressão de receptores, a superprodução.

Criocirurgia

    Existem outras formas de tratamento de cicatriz hipertrófica e quelóide dentre elas a Criocirurgia. Monoterapia ou em combinação com corticosteróides ou cirurgia convencional, a Criocirurgia possui um tempo de congelamento de 20 a 30 segundos, em ciclo de congelamento e descongelamento, com intervalos de dois meses entre sessões de tratamento 25.

Conclusões

    A etiologia da cicatriz hipertrófica e quelóide ainda estão insuficientemente esclarecidas, essa dificuldade reside no fato do quelóide ser descrito apenas em seres humanos, sendo a falta de um modelo experimental em animais uma difícil definição dos métodos mais adequados para se tratar cada uma delas.

    Dentre as técnicas estudas para prevenção o controle do Fator de Crescimento Transformador beta – I, o silicone gel e o laser parecem ser a melhor opção.

    Este estudo analisou recentes e antigas estratégias terapêuticas para o manejo de cicatrizes hipertróficas e quelóides dentre elas a radioterapia, silicone gel, laserterapia, Fator de Crescimento Transformador beta – I, injeção intralesional, técnica cirúrgica e criocirurgia.

    Para o tratamento existem consideráveis vertentes para o manejo das técnicas: a radioterapia se mostra eficaz em menor tempo dando um equilíbrio entre as células dérmicas, porem um método agressivo e pouco conclusivo sobre efeitos carcinogênicos; o silicone gel atualmente muito utilizado quando associado a excisão cirúrgica pois hidrata a ferida acelerando o processo de cicatrização; a injeção intralesional através da inibição da colagenase pela ação dos corticóides tem sido utilizada em 1 linha de tratamento, porém o índice de recidiva permanece alto; a técnica cirúrgica apesar de antiga, representa um custo significativo e também possui alto índice de recidivas; a criocirurgia combinada a alguma técnica, porem não representou efeito direto no tratamento.

    Dentre os métodos de prevenção e tratamento analisados existem fortes evidências cientificas que o Laser é um grande promissor, pela sua dualidade, sendo utilizado tanto na prevenção quanto no tratamento, porém precisa ser melhor estudado, para se ter com precisão dosagens e comprimento de onda adequados.

    Sem dúvida que, a prevenção é mais importante do que o tratamento propriamente dito. Não existe uma melhor técnica para redução do quelóide, mas sim técnicas combinadas. Pela impossibilidade de se prevenir todos os casos, as diferentes formas de tratamento devem ser avaliadas criteriosamente devido às particularidades encontradas em cada indivíduo.

 

Métodos

    Para realização dessa pesquisa foram selecionados artigos com técnicas modernas de prevenção e tratamento para quelóide sendo as palavras mais utilizadas para a busca foram: prevenção, controle, tratamento, quelóide e cicatriz hipertrófica. A busca foi realizada em artigos indexados no banco de dados da Pubmed realizados no período de 2000 a 2010, onde foram encontrados 1820 trabalhos relacionados a pesquisa. As principais revistas especialidades na área foram de Cirurgia Plástica, Dermatologia e Ginecologia e obstetrícia. O critério utilizado para inclusão dos artigos no texto e que representassem evidência científica A ou B, que trouxessem discussão sobre os melhores métodos de prevenção e tratamento para quelóide e cicatriz hipertrófica e também que fossem atuais.

Discussão

    As cicatrizes são o resultado inevitável de uma lesão, intencional ou acidental da pele, que pode resultar de uma patologia, podendo apresentar-se hipertrófica, atrófica ou quelóideana7.

    Estudos demonstram que o quelóide tem gerado efeito físico, psicológico e desconforto social. Muitos estudos têm investigado diversos aspectos da fisiopatologia do quelóide, porém, a relação entre componentes da dieta e quelóides não tem recebido muita atenção. Estudos in vitro e in vivo indicam possíveis associações existentes entre quelóides e os ácidos graxos, fibras solúveis, e fitoquímicos8.

    Abordagens atuais para a gestão de quelóide são baseadas em um algoritmo, incluindo a excisão cirúrgica, esteróides intralesional, anti-histamínicos orais, crioterapia, remoção a laser, radioterapia, curativos oclusivos, e imunomoduladores. A excisão cirúrgica, corticosteróides (intralesional), imiquimod (agente imunomodulador), e terapia oclusiva de silicone estão entre as opções mais eficazes que os atualmente disponíveis9.

    Através de uma avaliação de ensaios clínicos para se propor algoritimos para o tratamento e prevenção de quelóide e cicatriz hipertrófica, autores perceberam que os fatores importantes que promovem a cicatriz hipertrófica e o desenvolvimento do quelóide incluem forças mecânicas sobre a ferida, infecção e reações de corpo estranho.

    Os tipos mais freqüentes de lesões cutâneas iniciais deflagradoras do quelóide e cicatrizes hipertróficas são o ferimento acidental (50%), intervenção cirúrgica prévia (22,9%), referência a infecção em ferida (13,4%), seqüela de queimadura (11%), e outros fatores não identificáveis (2,4%). Uma cicatriz hipertrófica é limitada à área do trauma, enquanto um quelóide alastra-se além desta, tendo pior prognóstico. Parece existir um componente genético e hereditário na propensão ao desenvolvimento de quelóides7.

    Um ponto importante na prevenção e tratamento de cicatriz hipertrófica e quelóide seria justamente identificar sua diferenciação, sendo assim mais efetivo o tratamento. Quelóides assumem uma crescente além dos limites da ferida original e estão freqüentemente associadas com prurido e dor. Cicatrizes hipertróficas tem a aparência clínica de um nódulo vermelho levantadas sobre a pele, não se estendem além da área original da pele trauma e, muitas vezes regridem com o tempo, até certo ponto. Além de sua aparência, características clínicas e histológicas também distinguir entre cicatrizes hipertróficas e quelóides10.

    Histologicamente não se pode diferenciar cicatriz hipertrófica de quelóide, nem ao microscópio ótico nem ao eletrônico. Tanto as cicatrizes hipertróficas quanto os quelóides são compostos de tecido fibroso denso11.

    Uma vez que, diversas cicatrizes que se tornam hipertróficas nos primeiros meses podem até serem resolvidas com um simples ou nenhum tipo de tratamento. Quelóides podem não regredir em seis meses a dois anos, tornando o acompanhamento da evolução do tratamento muito longo e difícil 12.

    Dentre as técnicas para tratamento, podemos citar: remoção cirúrgica, radioterapia, crioterapia, gel de silicone, injeção intralesional de agentes diversos ou injeção de corticóides e laserterapia12,13.

Radioterapia

    Estudos realizados in vitro demonstraram que a radioterapia parece aumentar a taxa de apoptose em fibroblastos de quelóide, retornando a população de células de equilíbrio 14.

    Apesar da presença de poucos casos documentados, não houve uma clara associação entre a terapia de radiação e carcinogênese como testemunhado em vários estudos clínicos 15.

    A radioterapia pós-operatória para quelóide requer doses moderadamente altas e técnica ideal para ser eficaz. A relação a/b relativamente baixa indica que a radioterapia com altas doses por fração é a melhor estratégia. Se a radioterapia for administrada após a excisão de um quelóide, pode retardar a cicatrização de feridas e limitar aos níveis normais, matando uma porção substancial dos fibroblastos proliferando rapidamente16.

 

Introdução

    O papiro cirúrgico de Edwin Smith, em 1700 a.C., já fazia menção à formação anormal de cicatrizes. O quelóide foi primeiramente descrito em 1806 por Alibert. Naquela época, ele denominou os mesmos “les cancróides’’, ou seja, lesões semelhantes ao câncer. Mais tarde, em 1816, introduziu, então, o termo “quelóide’’. O termo tem origem do grego: Khele (garra, pinça) e oiedes (semelhante a)1.

    Embora o quelóide já se encontre descrito na literatura como “uma cicatriz que se estende além do tecido danificado e que cobre o tecido normal” ainda não se existe um consenso do que seria uma cicatriz normal, hipertrófica ou queloideana. Essa confusão geralmente leva ao manejo inadequado das feridas, limitando o tratamento a satura.

    Existem atualmente varias formas de tratamento e prevenção de cicatrizes hipertróficas e quelóides, porém, entre muitos desses tratamentos apenas um pequeno número tem sido apoiado por estudos prospectivos, incluindo grupos de controle adequados2.

    Quelóide foi incluído na categoria de doença cutânea crônica e apresentam alta relevância entre os afro-descendentes, asiáticos e hispânicos3. Suapredisposição é maior em pessoas do sexo feminino em relação ao masculino, relata-se quase o dobro (1,8/1) de incidência em mulheres em relação a homens, embora alguns pesquisadores não encontrassem correlação entre o risco de desenvolver quelóide em relação ao sexo.

    Estudos demonstram que pacientes negros com hipertensão arterial severa apresentam incidência maior de quelóides em relação a indivíduos com pressão arterial normal. A máxima incidência de quelóide ocorre entre a segunda e a quarta décadas de vida, principalmente na parte superior do dorso, no tórax e nos lóbulos das orelhas3. Os quelóides são quase inexistentes na planta dos pés e na palma das mãos, apesar de serem regiões sujeitas a atritos e ferimentos.

    Cicatrizes hipertróficas, decorrentes de alterações no processo normal de cicatrização de feridas cutâneas, são caracterizadas por proliferação de tecido dérmico com deposição excessiva de fibroblastos derivados de proteínas da matriz extracelular, principalmente colágeno, durante longos períodos, e por inflamação persistente e fibrose4. A freqüência de cicatriz hipertrófica é provavelmente, maior que a do quelóide, mas ainda não existem estudos estatísticos específicos.

    Quelóides e cicatrizes hipertróficas são tumores benignos na pele e são o efeito de um processo de desregulação a cicatrização de feridas. Estes tipos de cicatrizes são difíceis de erradicar e tratamentos convencionais nem sempre são bem sucedidas5.

    Uma grande variedade de tratamentos tem sido defendida para cicatrizes anormais, incluindo a excisão cirúrgica, curativos oclusivos, corticóides tópicos e intralesionais, interferon, criocirurgia, radioterapia, terapia de pressão, a terapia laser, ácido retinóico, gel de silicone e folhas, bem como um multiplicidade de extratos, os agentes tópicos e outros promissor, menos conhecido terapias dirigidas a síntese de colágeno6.

    Contudo foi elaborado uma revisão sistemática da literatura, com o objetivo de avaliar as principais modalidades de prevenção e tratamento para o quelóide e a cicatriz hipertrófica, considerando as melhores evidências científicas disponíveis correntemente.

 

Resumo

          O quelóide é uma alteração cicatricial de alta prevalência e difícil tratamento. Essa pesquisa é baseada em uma modalidade conjunta do efeito de vários tratamentos comprovados na literatura, utilizados individualmente ou combinados como terapia preventiva para cicatriz hipertrófica e quelóide. Objetivo: Esta revisão teve como objetivo avaliar as principais modalidades de prevenção e tratamento para o quelóide e a cicatriz hipertrófica, considerando as melhores evidências científicas disponíveis correntemente. Métodos: Para isso foram selecionados artigos com técnicas modernas de prevenção e tratamento para quelóide. A busca foi realizada em artigos indexados no banco de dados da Pubmed realizados no período de 2000 a 2010, onde foram encontrados 1820 trabalhos relacionados à pesquisa. As principais revistas especialidades na área foram de Cirurgia Plástica, Dermatologia e Ginecologia e obstetrícia. Resultados: Dentre as técnicas estudas para prevenção o controle do Fator de Crescimento Transformador beta – I, o silicone gel e o laser parecem ser a melhor opção, porem dentre eles existem fortes evidências científicas que o Laser é um grande promissor tanto na prevenção quanto no tratamento de cicatrizes hipertróficas e quelóides. Conclusões: A etiologia da cicatriz hipertrófica e quelóide ainda estão insuficientemente esclarecidas, essa dificuldade reside no fato do quelóide ser descrito apenas em seres humanos.

          Unitermos: Cicatriz hipertrófica. Quelóide. Prevenção primária. Tratamento primário.

 

Abstract

          The keloid is a scar highly prevalent and difficult to treat. This research is based on a type of joint effect of various proven treatments in the literature, used individually or combined as preventive therapy for hypertrophic scar and keloid. Background: The review aimed to assess the main methods of prevention and treatment for keloid and hypertrophic scar, considering the best scientific evidence currently available. Methods: For this survey of articles with modern techniques of prevention and treatment of keloid. The search was carried out in articles indexed in the Pubmed database made in the period 2000 to 2010, where they found work in 1820 related to research. The main specialty journals in the area were of Plastic Surgery, Dermatology and Obstetrics and Gynecology. Results: Among the techniques studied to prevent the control of transforming growth factor beta - I, silica gel and laser seem to be the best option, but among them there is strong scientific evidence that the Laser is a very promising both the prevention and treatment of scars hypertrophic and keloid scars. Conclusions: The etiology of hypertrophic and keloid scars are still poorly understood, the difficulty lies in the fact keloid be described only in humans.

          Keywords: Hipertrophic cicatrix. Keloid. Primary prevention. Primary treatment.

 

 

Cada vez mais pessoas colocam piercing no corpo para ficararem mais bonitas(?)...
sim, para alguns isso já é padrão de beleza!

Eu por exemplo adoro ver uma garota com uma barriga lisinha usando um desses no Umbigo!








Porém...Aqui eu nunca vi...(úvula)

 Imagem reduzida 89% do seu tamanho original [ 575 x 453 ]




Dá uma olhada nesses aqui...um mais bizarro que o outro!!!


 Imagem reduzida 74% do seu tamanho original [ 685 x 514 ]



 Imagem reduzida 79% do seu tamanho original [ 641 x 691 ]


 Imagem reduzida 64% do seu tamanho original [ 800 x 520 ]












 Imagem reduzida 80% do seu tamanho original [ 638 x 431 ]















 Imagem reduzida 80% do seu tamanho original [ 640 x 433 ]


Esse não falta parafuso nenhum na cabeça....



 Imagem reduzida 91% do seu tamanho original [ 560 x 462 ]



O veterano Lizardman, cortou a língua em 2 partes e serrou os dentes.









 Imagem reduzida 91% do seu tamanho original [ 558 x 740 ]



 Imagem reduzida 64% do seu tamanho original [ 795 x 596 ]





Implantes de aço: Wolverine???

 Imagem reduzida 70% do seu tamanho original [ 730 x 486 ]


Boi bandido is back!



 Imagem reduzida 66% do seu tamanho original [ 770 x 472 ]



 Imagem reduzida 70% do seu tamanho original [ 727 x 498 ]



Esse tá fod@!

 Imagem reduzida 96% do seu tamanho original [ 533 x 449 ]
 
 
 
 
 

user posted image

user posted image

user posted image

user posted image

user posted image

user posted image

 

 

Fotos de Piercings no umbigo

Mulher_com_piercing_no_umbigo

Mulher com piercing no umbigo

Piercing no umbigo de estrela

Piercing no umbigo de estrela

Piercing de borboleta no umbigo

Piercing de borboleta no umbigo

Piercing na barriga

Barriguinha com piercing

 

Especialistas da Universidade de Ohio descobriram através de pesquisas que quanto mais tempo um piercing permanecer no lábio, maior será a retração da gengiva com instabilidade dos dentes afetados. 

Um alerta semelhante havia sido feito por dentistas ingleses em 2003 este assunto de piercing já tinha sido abordado e alertado pelos cientistas. 

Nas pesquisas os especialistas acompanharam mais de 50 usuários de piercing de lábios, o que foi constatado é que o piercing quando é colocado nos lábios fica roçando a região próxima aos dentes e causa a retração da gengiva. 

A retração gengival, depois de instalada, tem pouca chance de recuperação e passa a ser uma porta de entrada para as bactérias que causarão a doença periodontal. Após a contaminação pelas bactérias acontece a formação de uma bolsa de material infectado que acaba comprometendo o dente. 

A doença periodontal, (é nome técnico da inflamação crônica das gengivas), está associada a uma série de outras doenças, pode causar a perda de todos os dentes, além de inflamação crônica, a retração gengival traz o aumento da sensibilidade dolorosa dos dentes aos estímulos de calor e frio. 

Uma opção para as pessoas que querem estar na moda e usar piercing nos lábios pode ser a utilização de falsos piercings que não tem a parte posterior que fica em contato com os dentes, com isso diminuí o atrito com a gengiva. 

A higiene rigorosa das gengivas e dentes após a retirada do falso piercing também diminui os riscos do processo inflamatório infeccioso.

 

O povo da Nova-Guiné centram a sua decoração no nariz, as decorações corporais, servem para conferir ao indivíduo as virtudes do animal de que provém esses adornos. Os Kayapos, perfuram as orelhas dos recém-nascidos e o lábio inferior dos mais pequenos.

 Para os esquimós do Alasca, o piercing do lábio e na língua significavam o momento da transição para o mundo adulto e significava que a criança tinha se tornado caçador.

Na Índia é muito comum, sobretudo as mulheres, furarem o nariz, o septo nasal e as orelhas.O piercing da ala do nariz é proveniente da Índia, onde se reservava às castas mais altas, já o septo nasal perfurado é originário da Nova-Guiné.

Na época dos faraós, o piercing no umbigo era exclusivo da família real. Os antigos Maias praticavam a arte da perfuração, furando os lábios, o nariz e as orelhas.

Existem diversos materiais para as jóias. Apesar de normalmente se dizer que o mais indicado é o aço cirúrgico, tal não é verdade. O ideal será usar material como o titânio ou mesmo o teflon por serem menos reativos e assim produzirem uma menor resposta imunológica, que desencadearia uma alergia ou inflamação. Não é recomendável o uso de Ouro, pois dependendo do sistema imunológico da pessoa, pode ocasionar alguma reação alérgica.

O uso de piercing tem se tornado cada vez mais comum entre os jovens. O que parece apenas um simples exercício de vaidade, pode se tornar um sério problema de saúde.

A falta de controle sobre quem insere o piercing tem causado inúmeros casos de infecções graves. O piercing está longe de ser um procedimento sem riscos. Até 15% das pessoas apresentam algum tipo de complicação e 1% precisam de internação hospitalar.

A pele é o nosso maior órgão de defesa. Ela impede que milhões de bactérias que diariamente entram em contato conosco, atinjam nosso organismo. A nossa pele inclusive é colonizada por bactérias. Quando furamos essa barreira através de um piercing, estamos expondo nosso interior à germes que causam doenças.

Alguns locais como a língua e orelha são mais susceptíveis a complicações. Esta região de cartilagem apresenta uma vascularização sanguínea pobre. Qualquer infecção local pode ser difícil de ser tratada porque não há fluxo suficiente nem de anticorpos, nem dos antibióticos que possam ser prescritos.
Outra complicação é a formação de queilóides, que são cicatrizes hipertrofiadas, que podem ocorrer após processos inflamatórios exuberantes. O quelóide pode ser deformante, como na foto abaixo. Esse quelóide pode ocorrer em qualquer sítio do corpo onde haja uma reação ao piercing.



Leia mais: http://gaiabiodicas.webnode.com.br/artigos/piercing%20e%20suas%20complica%C3%A7%C3%B5es/
Crie seu site grátis: http://www.webnode.com.br

 

Esse texto traz como tema principal o Piercing. Esta indumentária para o corpo surgiu na Índia há bastante tempo. Sua função é trazer mais um adorno, uma diferenciação, uma certa forma de beleza estética. Mas para quê fazer isso?

Todos os Piercings indianos são dedicados a deuses e/ou ídolos regionais e territoriais. A partir do momento que você coloca um Piercing em seu corpo você está sujeito a uma atuação demoníaca, mesmo que você não queira ou não saiba que isso vai acontecer. O diabo não está nem um pouco interessado em saber qual é a sua intenção, ele não quer saber se você sabe ou não o significado do que você está fazendo; ele apenas usa suas artimanhas para se apoderar da sua vida.
Portanto, vou explicar um pouco dos significados dos Piercings nas partes do corpo mais comumente utilizadas para sua colocação, segundo estudos feitos por pastores (não foi citada uma fonte segura quanto a origem desses argumentos, mas há uma grande correlação com as partes do corpo na quais eles são colocados e seu reflexo no mundo espiritual, visto que as partes do corpo citadas abaixo têm uma influência muito grande na vida das pessoas, na área da fala, visão, gestação, sexualidade, sensualidade e outras, além de denotarem os chamados "chacras energéticos").
   
Nariz: O Piercing colocado no nariz significa DOMÍNIO e seu sentido no mundo espiritual é uma distorção do caráter e um direcionamento que causam rebeldia e uma autoconfiança muito exacerbada.
Sobrancelhas: O Piercing nas sobrancelhas dá vazão para um APRISIONAMENTO DA MENTE, causando um bloqueio na mente de quem os usa. Para essas pessoas nada tem grande importância principalmente na vida espiritual.

Orelhas: O Piercing nas orelhas, muito comum, significa APRISIONAMENTOS EM ÁREAS ESPECÍFICAS do corpo, podendo ser bloqueio do sistema nervoso, sistema simpático e sistema parassimpático. As pessoas que os usam podem sofrer de problemas na coluna, útero, alterações de libido e personalidade e, também, alterações genitais.

Umbigo: Um dos piercings que estão mais na "moda" é colocado no umbigo. Este está na área destinada a ALIMENTAÇÃO. Serve como um local de canalização de espíritos satânicos no corpo de quem os usa. Ele representa a exposição do corpo, visto que as pessoas que os usam gostam de deixá-los à mostra.

Lábios: O Piercing nos lábios significa um DOMÍNIO NA FALA; assim como o que é colocado na gengiva. As pessoas que os usam estão propensas a ter insegurança nessa área, dificuldades para uma boa comunicação, etc. Seu significado na vida dessas pessoas é como de um cabresto e pode ser representado na forma de gagueira. A diferença entre o colocado nos lábios e o que é colocado na gengiva, é que o segundo representa a LUXÚRIA.

Órgãos Genitais: O Piercing nos órgãos genitais traz como significação principal a PROSTITUIÇÃO. Ele pode causar um estímulo intra-uterino para atuação de espíritos nessa área causando esterilidade e outros problemas nas mulheres e, também, nos homens. Ele trás uma atuação na área da prostituição na vida das pessoas que o utilizam.

 
Bem, significa que todas as pessoas que você vir com esses tipos de piercings estarão manifestando esses sintomas que foram ditos? Não, nem sempre. Mas digo que no mundo espiritual elas estão aprisionadas de alguma forma por essas marcas que elas carregam no corpo. Pois está escrito que "Não farão os sacerdotes calva na cabeça, e não raparão os cantos da barba, nem farão lacerações na sua carne". (Levíticos 21:5.) E também: "Não fareis lacerações na vossa carne pelos mortos; nem no vosso corpo imprimireis qualquer marca. Eu sou o Senhor." (Levíticos 19:28.)
   
Na atualidade, as pessoas que usam esse tipo de indumentária, são tidas como rebeldes, marginalizadas da sociedade, exibicionistas, enfim não recebem muito crédito e muitas vezes são descriminadas. Portanto, como nós cristãos devemos nos apresentar? Como pessoas estranhas, rudes, descriminadas ou como filhos do Senhor agradáveis em todos os aspectos inclusive o visual? Não para Deus, pois Ele vê nosso coração, mas devemos lembrar que as pessoas não têm essa capacidade!


Está escrito claramente na Palavra do Senhor que qualquer tipo de marca ou laceração (que não seja feita com um direcionamento do Senhor) na pele, não O agrada. Portanto,como piercings e tatoo são marcas ou lacerações, podemos concluir que não agradam ao Pai. Um dos motivos dele ser colocado: preencher a falta de algum vazio dessa pessoa, que precisa de um "chamativo" para ser vista pela sociedade, quando na verdade o que ela precisa mesmo é de buscar mais de Deus em alguma área da sua vida para preencher esse vazio.


Agora que já sabe que alterações no santuário do Espírito Santo não agradam ao Senhor, você pode optar por ser abençoado(a) e abundar na graça e na unção do Pai. O Senhor é um Deus de amor e quer sempre o melhor para Seus filhos e nunca vai querer que nenhum de nós se perca por causa as armadilhas de satanás. Somos mais que vencedores em Cristo Jesus!!!


 

Fonte de Pesquisa: www melodia.com.br 

 

Piercing (ou Pírcingue[1], ortografia aceitável em português de Portugal, mas raramente utilizada) é uma forma de modificar o corpo humano, normalmente furando-o a fim de introduzir peças de metalesterilizado.

O povo da Nova-Guiné centram a sua decoração no nariz, as decorações corporais, servem para conferir ao indivíduo as virtudes do animal de que provém esses adornos. Os Kayapos, perfuram as orelhas dos recém-nascidos e o lábio inferior dos mais pequenos. O chefe Kayapo tem o direito de ostentar um adorno labial de quartzo nas cerimónias particulares, diferenciando-se dos seus congéneres.

 

Forma de expressão, enfeite, rebeldia, loucura. 
Várias são as definições dadas a quem usa piercings.
Tão amados quanto odiados eles vieram pra ficar. 

Alguns são extremamente radicais. 

Eis alguns dos mais diferentes piercings:










 

Piercing é uma forma de “enfeitar” mais seu corpo, assim como a tatuagem. Tudo começou com índios que usavam como decoração no nariz e boca, com enormes discos de madeira.

O piercing é utilizado por diversos povos. Os papues da Nova-Guiné, por exemplo, centram a sua decoração no nariz, as decorações corporais, servem para conferir ao indivíduo as virtudes do animal de que provém esses adornos. Já os kayapós, perfuram as orelhas dos recém-nascidos e o lábio inferior dos mais pequenos. O chefe kayapó tem o direito de ostentar um adorno labial de quartzo nas cerimônias particulares, diferenciando-se dos seus congeneres.
O piercing também é usado em vários países com seus respectivos significados.Bom, a matéria tá um pouquinho grande, se tiver paciencia e curiosidade, prossiga.

149876651_79257ce048_m

Existem diversos materiais para as jóias. Apesar de normalmente se dizer que o mais indicado é o aço cirúrgico, tal não é verdade. O ideal será usar material como o Titânio ou mesmo o Teflon por serem menos reativos e assim produzirem uma menor resposta imunológica, que desencadiaria uma alergia ou inflamação. Não é recomendavel o uso de ouro, pois dependendo do sistema imunológico da pessoa, pode ocasionar alguma reação alérgica.

Sobre as reações alérgicas e cuidados, falarei depois. Essas palavras acima foram retiradas do site Spiner.

 

Bom, existe piercing para todos os gostos. Piercing labial, tranversal, para o nariz, mamilos, sobrancelha e até dedos.

Eu e Samu cismamos de colocar piercing juntos. Fomos a um estúdio e colocamos. Normal, deu certo com nosso estilo e gosto.  Mas quando o piercing atrapalha a conseguirmos um emprego?

Muita empresa ainda tem preconceito por causa de piercing e tatuagem. É necessario? Talvez. Piercings e tatoos mostram a personalidade da pessoa. O que ela tatua mostra o que ela realmente é.

Se a pessoa é boa no serviço e tem piercings e tatoos, voce irá perder uma oportunidade de ter um ótimo empregado trablahando pra você. Não custa nada dar uma chance.

piercing3

Bom..para manter o piercing, precisa-se ter muitos cuidados e força de vontade, porque não é facil. Ainda mais quando inflama.

No site Tatuando eles dão dicas de como cuidar direitinhos do seu piercing para que não inflame.

• Lave as mãos com sabonete anti-séptico antes de tocá-lo.
• Lave a boca com anti-séptico bucal diluído em água após as refeições.
• Limpe o piercing somente duas vezes por dia, na fase de cicatrização.
• Não permita que outras pessoas toquem em seu piercing sem lavar as mãos.
• Evite sauna, piscina, banho de mar, lagoa e excesso de sol.
• Atritos causados por roupas apertadas, pesadas ou movimentos excessivos podem causar quelóides, irritação da pele. Isso forma um vermelho escuro ao redor do piercing, podendo levar até à rejeição.
• O piercing só pode ser trocado ou retirado quando o local perfurado já estiver completamente cicatrizado.
• Evite roupas justas e sintéticas que fiquem em contato com o piercing, pois dificultam a respiração da pele.
• Não submeta seu piercing a nenhum atrito.
• Stress, má alimentação, uso de drogas e álcool ou doença podem prolongar o período de cicatrização.
• Não tenha contato com fluídos de outras pessoas, como suor, saliva, secreções, sangue, etc.
 • Deixe longe de seu piercing, cosméticos, bronzeadores, perfumes, roupas de cama suja, aparelhos de telefone ou qualquer objeto de uso público. As infecções são causadas pelo contato com bactérias e fungos que podem estar em qualquer lugar.
• Para limpar o piercing, utilize um sabonete anti-séptico e aplique sobre o local, girando lentamente a jóis. Certifique-se que não ficou nenhum resíduo ou secreção.
• Só toque no piercing quando estiver limpando.
• Para a cicatrização dos piercings bucais, chupe gelo e beba água gelada nos três primeiros dias. Evite beijos e alimentos apimentados.
• Não aplique sobre o piercing álcool, água oxigenada, mertiolate, mercúrio e pomadas que não sejam indicadas por um profissional

O seu piercing está inflamado? Não se preocupe, pode ter solução. O blogTimmerman conta uma experiencia em que ele furou, e quando trocou de piercing, a orelha inflamou

Cuide do Seu Piercing !

 

O piercing já passou da época em que era considerado algo característico punk ou símbolo de rebeldia, há algum tempo ele já é um artigo de moda, um acessório. Por mais bonito que seja e que os procedimentos para colocar tenham sido simples, há cuidados a tomar para que seu piercing não cause problemas.
 
Os cuidados são simples, porém indispensáveis. Nunca use roupas apertadas, pesadas ou movimentos excessivos podem causar atritos geradores de quelóides, irritação na pele, e até a rejeição. Evite usar o piercing em banhos de mar, sauna, piscina e ou quando tomar muito Sol. Use sempre roupas limpas e confortáveis que facilitem a transpiração. Stress, má alimentação, drogas e alcool dificultam a cicatrização. Sempre lave as mãos antes de tocar seu piercing e nunca aplique água oxigenada, mertiolate, mercúrio ou pomadas do tipo Nebacetim, Minancora e Fibrase.
 
Quando o piercing causar muito inchaço, estiver vermelho escuro ou estiver com uma sensação quente ao redor, tiver descarga incomum de fluidos amarelo, verde ou cinza (PUS) ou estiver causando sentindo muita dor; não retire a jóia, procure imediatamente o profissional que aplicou o piercing ou procure um médico. Procure saber se a jóia é de boa qualidade, se não for compre uma que seja. Pare para pensar se você fez tudo certo durante o processo de cicatrização como limpeza, se não fez comece a fazer.
 
Para limpar seu piercing adequadamente, antes de tocá-lo lave as mãos com sabonete anti-séptico. Toque no piercing apenas quando estiver limpando, limpe-o apenas 2 vezes ao dia, pois o excesso poderá dificultar a formação de novas células. Só movimente a jóia quando estiver no banho com água morna, assim ficará mais fácil remover as secreções. Para lavar, aplique sabonete anti-séptico no local da jóia até formar uma espuma, gire a jóia e deixe agir por alguns segundos e enxágüe muito bem e não deixe nenhum resíduo ou secreção.
 
Se você possui piercing na região da boca (Língua, Lábio e Labret), após as refeições, fumar ou comer, lave-a com solução de anti-séptico bucal, dissolvido sempre em 50% de água.
 
Abaixo segue o tempo de cicatrização para cada região onde foi colocado a jóia:
 
Lábio, Labret - 6 a 8 semanas
Língua - 4 a 6 semanas
Bochecha - 2 a 3 semanas
Lóbulo (orelha), Sombrancelha, Septo - 6 a 8 semanas
Cartilagem da orelha, Aba do nariz - 2 meses a 1 ano
Umbigo - 6 meses a 1 ano
Mamilo - 4 meses a 1 ano
Lábio interno, Clitóris - 4 a 8 semanas
Lábio externo, Guiche - 2 a 6 meses
 

Novidades

Tudo Sobre Queloide

04/06/2012 21:38
  Um queloide é um caso especial de cicatriz. São lesões fibroelásticas, salientes, rosadas, avermelhadas ou escuras e às vezes brilhantes. Podem ocorrer na cicatrização de qualquer lesão da pele. Geralmente crescem, e apesar de inofensivas, não contagiosas e indolores, podem se tornar um...

Cuide-se

01/06/2012 21:09
    Piercing é uma das coisas que muitos jovens gostam e os mesmos estão aderindo a perfuração do piercing, seja por beleza ou para mostrar para seus amigos a novidade. Segundo algumas informações de especialistas, a idade para se fazer um piercing é a partir dos 16 anos de idade. É...

Nossa ....

Nossa ....

23/05/2012 19:33
  Outros pontos de alto risco são os genitais e a ponta da língua. Nesta, pode dar mau hálito. O acúmulo de resíduos de alimentos no local da perfuração facilita também a multiplicação de bactérias. Às vezes, apenas uma aresta irregular da jóia é suficiente para ferir a língua e a...

Aprecie...

Aprecie

18/05/2012 19:30
http://youtu.be/ixlY-pgkB7s

é a Vida né??

é a Vida !

08/02/2010 19:32
  O adorno da vez, principalmente entre os jovens, é o piercing. Além de adereço estético, é uma forma de identificação. É moda pôlos no umbigo, pálpebra, língua, orelha, nariz, lábios e até mamilos e genitais. Em meados de outubro, porém, a morte de uma adolescente em São Paulo por...

Veja !

Veja !

16/02/2011 19:33
    Vivemos uma época permeada por símbolos, enraizados no ocultismo e em crenças pagãs da antiguidade. Transmitem mensagens e imprimem padrões comportamentais. Confronte-os com a Bíblia   SÍMBOLOS DA NOVA ERA O grego symbállein dá a idéia de reunir...

Olhe !

Olhe !

17/02/2011 19:34
O SIMBOLISMO E OS PERIGOS DA TATUAGEM O Dicionário de Símbolos de J.E. Cirlot diz que "o simbolismo genérico engloba tatuagem e ornamentação como atividade cósmica, incluindo sentido sacrificial, místico e mágico. Veja alguns pontos: 1. A tatuagem pode ser um sinal de propriedade e pacto...

Simbolismo...

é Assim Mesmo ...

18/02/2011 19:35
O SIMBOLISMO E OS PERIGOS DO PIERCING A revista Época de 25/02/2002 aponta diversos perigos do piercing: Língua - Pode provocar fendas nos dentes e infecção geral. Sobrancelha - Inchaço e dor impedem a higienização correta do local e abre caminho para...

Varios Piercings !

Vários Piercings ...

20/02/2011 19:36
. Nariz - fôlego de vida (Gn 2.7; 7.22-24; Is 2.22, 42.5; Ec 3.19, 21) 2. Boca - confissão (Rm 10.8-9;IJo 1.9; Mt 15.18;21.16; Tg 3.10; Pv 21.23) 3. Sobrancelhas (olhos) - mente (Mt 6.22-23; Ef 1.17-18, 4.18; II Co 4.4) 4. Orelha - ouvir e crer (Rm 10.14-18; Hb 3.15; Is 6.10; Jr 17.23;...

Aprenda !

Aprenda ....

22/02/2011 19:36
O CRISTÃO DEVE USAR PIERCING OU TATUAGEM? O pluralismo corrói insidiosamente o cristianismo. Para muitos o piercing e a tatuagem é apenas uma questão cultural. Entretanto, "o Evangelho nunca é o hóspede da cultura; ele é sempre seu juiz e redentor," pois parte dela é demoníaca.'' O cristão...

Novidades ....

Novidades ...

26/02/2011 19:37
É VERDADE QUE A VOZ DO POVO É A VOZ DE DEUS? A Moda, a Liberdade e a Cultura da Imagem Fausto Rocha responde: A voz do povo não é a voz de Deus" Foi o povo que gritou: Fora com este (Jesus). Crucifica-o! (Lc 23.18-23) Não é porque bilhões de moscas visitam o lixo diariamente que...